2013 - Investimentos para dobrar produção até 2020

Dona da maior carteira de investimentos da indústria petrolífera mundial para os próximos cinco anos, a Petrobras investirá US$ 236,7 bilhões no período de 2013 a 2017. No Plano de Negócios e Gestão (PNG) da companhia, a palavra de ordem é investir pesado para garantir o aumento da produção de petróleo e gás natural no Brasil.

Ao todo, são mais de 900 projetos em carteira nos próximos cinco anos. Tudo isso para que a companhia duplique a produção até 2020, alcançando 4,2 milhões de barris de petróleo/dia. Mais que o dobro dos cerca de 2 milhões de barris/dia produzidos atualmente. Para tanto, a maior parte do volume de investimentos tem endereço certo: Exploração & Produção (E&P). A área responderá por US$ 147,5 bilhões do total previsto até 2017.

Mas há mais investimentos planejados, além do robusto aporte em E&P. Na área de Abastecimento, a expectativa é ampliar a oferta e melhorar a qualidade dos combustíveis produzidos no país. Já na área de Gás e Energia, um dos principais objetivos é transformar o gás natural em fertilizantes para atender ao mercado agrícola brasileiro e fornecer gás natural para geração de energia elétrica.

Atualmente: veja a lista com algumas das principais ações previstas no Plano de Negócios e Gestão 2013-2017 da Petrobras anunciado em março de 2013.    

  • O segmento de Exploração e Produção no Brasil receberá investimentos de US$ 147,5 bilhões, o que representa um crescimento de US$ 15,9 bilhões em relação ao PNG 2012-16, devido principalmente à inclusão dos investimentos de 2017 em níveis compatíveis com a aceleração da produção planejada entre 2016 e 2020. Do total de investimentos, 73% serão alocados para desenvolvimento da produção, 16% para exploração e 11% para infraestrutura. Os investimentos no pré-sal e cessão onerosa correspondem a 68% do valor total investido em desenvolvimento da produção.
  • O Abastecimento prevê investimentos de US$ 64,8 bilhões, sendo US$ 43,2 bilhões na carteira em implantação, cujos principais projetos são de expansão da capacidade de refino por meio da Refinaria Abreu e Lima e do primeiro trem do Comperj.
  • O segmento de Gás e Energia tem alocados US$ 9,9 bilhões no PNG 2013-17, sendo US$ 5,9 bilhões para a conclusão dos projetos em implantação, dentre os quais destacamos a Unidade de Fertilizantes de Três Lagoas e a Usina Termelétrica Baixada Fluminense.
  • O negócio de Distribuição receberá investimentos de US$ 3,2 bilhões, dos quais US$ 2,9 bilhões em implantação, com destaque para os projetos de logística visando a manutenção da liderança no mercado e crescimento de participação no segmento automotivo.
  • A área de Biocombustíveis prevê investimento de US$ 2,9 bilhões, com US$ 1,1 bilhão em projetos em implantação. Os recursos estão distribuídos entre projetos de biodiesel e etanol.
  • Na área Internacional serão investidos US$ 5,1 bilhões, sendo US$ 3,2 bilhões na carteira em implantação, com ênfase no segmento de E&P que representa 90% destes investimentos.
  • A produção chegará a 2,5 milhões de barris de petróleo em 2016, 2,75 milhões em 2017 e 4,2 milhões em 2020. Já a produção em barris de óleo equivalente (petróleo e gás) atingirá 3 milhões em 2016, 3,4 milhões em 2017 e 5,2 milhões em 2020.   
  • No período, 25 novas plataformas de produção entrarão em operação. Até 2020, serão 38 novas plataformas de produção.
  • A marca de 1 milhão de barris por dia operados pela Petrobras no pré-sal será superada em 2017 e atingirá 2,1 milhões de bpd em 2020. Em junho, atingimos a média mensal de 310 mil barris por dia, com recorde diário de produção de 326 mil barris de petróleo no dia 22. A Bacia de Santos responde por 47% da produção, enquanto a Bacia de Campos responde pelos 53% restantes. 
  • A frota de navios também será ampliada. Dentro do Promef (Programa de Modernização e Expansão da Frota), quatro navios já foram entregues. Entre 2013 e 2017, serão 45 novos navios de transporte de petróleo e derivados.