2006 – Descoberta do pré-sal

Em 2006, a Petrobras anuncia a descoberta de Tupi, atual campo de Lula, na Bacia de Santos, que concentra grande quantidade de petróleo abaixo da camada de sal. Os grandes volumes recuperáveis estimados e a comprovada qualidade do óleo fazem do pré-sal uma das mais importantes descobertas da história recente da indústria de energia mundial.

Com média de 28º a 30° na escala do American Petroleum Institute (API), o óleo do pré-sal é do tipo leve, de maior valor no mercado, diferente do petróleo comumente encontrado no Brasil, considerado pesado.

A camada pré-sal ocupa na costa brasileira uma área de aproximadamente 800 quilômetros de extensão por 200 quilômetros de largura, acompanhando a linha do litoral entre os estados de Santa Catarina e Espírito Santo, e fica a cerca de 300 km da costa.

Os reservatórios estão a quase 7 mil metros de profundidade a partir do nível do mar, sendo cerca de 2 mil metros de água e quase 5 mil metros de rochas da camada pós-sal e de sal, até as jazidas de petróleo.

Atualmente: Não há obstáculos ao desenvolvimento do pré-sal e os desafios tecnológicos estão sendo superados como atesta a produção atual de 320 mil barris por dia. Dentre os desafios vencidos estão, por exemplo, a profundidade de água, a profundidade dos reservatórios e a existência de espessas camadas de sal. No decorrer de sua história, a Petrobras desenvolveu e aplicou diversas tecnologias para exploração e produção em águas profundas. Essas tecnologias, e outras desenvolvidas pela indústria de maneira geral, foram estendidas e utilizadas no pré-sal com sucesso.

Este processo de contínua evolução tecnológica continua ocorrendo, agora com foco no pré-sal. Tendo em vista a gigantesca escala das descoberta e das operações do pré-sal, os benefícios desta contínua inovação serão ainda mais significativos, se comparados a qualquer campo de água profunda no Brasil, Golfo do México ou Mar do Norte.

A Petrobras continua trabalhando, no entanto, para reduzir os custos e aumentar a produtividade. Mas não existem maiores desafios tecnológicos associados ao pré-sal.

Nos últimos cinco anos, mais de 50% das descobertas de petróleo no mundo foram em águas profundas e 63% delas no Brasil. A Petrobras é a empresa que detém o maior número de sistemas de produção nesse horizonte submarino no mundo, com 45 instalações em águas profundas e ultraprofundas. Juntas, a segunda e a terceira colocadas têm 30 instalações.

Galeria de fotos relacionadas à este momento