1983 – Início do patrocínio ao Tamar

As atividades do Tamar mudaram os rumos das tartarugas-marinhas no Brasil. Hoje, a espécie que chegou a ser ameaçada de extinção está em franca recuperação. O sucesso do trabalho desenvolvido ao longo de três décadas tem muito a ver com uma parceira que abraçou a iniciativa desde os primeiros anos. Criado em 1980, o projeto passou a ser patrocinado pela Petrobras apenas dois anos depois. As pesquisas e ações para afastar as ameaças à vida da espécie tornaram-se referência mundial.  

A imersão nos mares do país levou a Petrobras a cuidar mais intensamente da biodiversidade marinha, investindo em importantes projetos. Além do Tamar (tartarugas-marinhas), a companhia patrocina os projetos Baleia Jubarte e Golfinho Rotador.

A Petrobras tem como premissa preservar a fauna dos locais onde são desenvolvidas atividades petrolíferas. No caso dos animais acima, o apoio da companhia foi essencial para a garantia da sobrevivência dessas espécies, que estavam ameaçadas de extinção.

Atualmente: o Tamar é coordenado pelo Instituto Chico Mendes e está presente em nove estados, com área de proteção superior a mil quilômetros da costa. Marco na esfera ambiental, o trabalho é um dos mais bem-sucedidos no País no gênero. As ações beneficiam as comunidades locais, seja com a integração ao mercado de trabalho, seja com trabalhos de educação ambiental.

Este ano, o Tamar registrou recorde no país de tartarugas marinhas gigantes fêmeas (Dermochelys coriacea). Os dados são da base do projeto, que fica na Reserva Biológica de Comboios, no Espírito Santo, considerada a única área regular de desova desta espécie de tartaruga no Brasil.