1960 – As cartas de Mr. Link

A fim de implantar uma estrutura organizacional como as das grandes companhias de petróleo internacional, a Petrobras contratou, em 1964, o geólogo norte-americano Walter Link, então funcionário da Standard Oil, para comandar o departamento de Exploração da empresa.

Após a avaliação das bacias brasileiras, Link apresentou o resultado dos estudos em uma série de quatro cartas, entre 1960 e 1961. O Relatório Link, como os documentos ficaram conhecidos, afirmava que não existia acúmulo considerável de petróleo e gás nas bacias sedimentares terrestres e questionava a racionalidade do dispêndio de recursos em programas exploratórios audaciosos. Ponderava, no entanto, que tais conclusões estavam condicionadas ao estágio tecnológico da geofísica, e que sua melhoria poderia transformar o quadro, especialmente na exploração marítima.

As conclusões provocaram intensas discussões acerca do potencial brasileiro na exploração de petróleo. O general Tácito Lívio de Freitas é um dos que não aceita o relatório e lança, então, o livro “Petróleo apesar de Mr. Link”, no qual acusa o geólogo norte-americano de estar a serviço das multinacionais do setor.

Atualmente, as reservas comprovadas de petróleo da Petrobras são de 15,7 bilhões de barris somente no Brasil. Como os volumes descobertos na nova fronteira do pré-sal são incorporados às reservas provadas aos poucos, ainda não está nessa conta a maior parte do volume já descoberto nos últimos anos. A expectativa é dobrar as reservas nos próximos anos, ultrapassando 30 bilhões de barris.